PRESA QUADRILHA QUE ROUBAVA EM PONTAL DO PARANÁ

Policiais civis da Delegacia de Matinhos, com apoio da Polícia Militar, prenderam na última semana quatro suspeitos de cometer vários roubos no litoral do Estado. Segundo a polícia, Uendel Brandão Lopes, de 24 anos, Luis Miguel Saqueto, de 21 anos, Kleyton Leite, 18 anos, Iago Leonardo Cabral Bispo, 20 anos, foram presos em flagrante pelos crimes de posse e porte ilegal de armas, formação de quadrilha e receptação. Os suspeitos seriam os autores de um assalto contra uma família de orientais em Piraquara, na Região Metropolitana de Curitiba.

De acordo com o delegado-titular da Delegacia de Matinhos, Antônio Messias da Rosa, os suspeitos seriam residentes do município de São José dos Pinhais e locaram uma casa no bairro Tabuleiro, em Matinhos, onde passaram a cometer vários crimes de roubo. Segundo o delegado, a quadrilha também teria agido em Pontal do Parana.

Os suspeitos foram presos quando dois deles circulavam com o veículo GM Prisma, de cor cinza escuro, roubado, pela PR-412, e foram surpreendidos por um cerco da Polícia Militar. Os dois ocupantes do veículo, Uendel Lopes e Iago Bispo, tentaram fugir mas foram perseguidos. Os policiais militares precisaram disparar contra o veículo. Bispo acabou ferido e encaminhado para o hospital regional de Paranaguá.

Lopes foi conduzido até a cidade de Matinhos, no bairro Tabuleiro, onde estavam os demais suspeitos. Na abordagem foi localizada a pistola calibre 380 que os autores tentaram jogar no quintal do vizinho. Os policiais também localizaram ainda uma pequena porção de drogas, e uma grande quantidade de produtos roubado das residências. Todo material foi apreendido e encaminhado para a Delegacia de Matinhos, onde foi lavrado o auto de prisão em flagrante.

Após lavratura do auto de prisão em flagrante delito, os autores confessaram a participação nos roubos, no litoral e na Região Metropolitana. Na delegacia várias vítimas fizeram o reconhecimento dos suspeitos e dos objetos apreendidos. Foi cumprido o mandado de prisão contra Luís Miguel Saqueto, já que o mesmo era foragido do Presídio de São José dos Pinhais desde dezembro de 2011. Todos os presos permanecerão recolhidos em Matinhos a disposição do juízo da comarca. Pelos crimes cometidos a autoridade policial representou pela prisão preventiva dos autuados.

Modus Operandi – De acordo com as investigações, os ladrões saiam em horário noturno pelas ruas da cidade de Matinhos e Pontal do Parana, assim que avistava moradores ou veranistas com o portão aberto, adentravam na residencia, dando voz de assalto. Segundo a polícia, os suspeitos trancafiavam os moradores em cômodos antes de roubar objetos de valor e exigir todo o dinheiro que estaria na posse das vítimas.


CÂMARA CASSA PREFEITO

Após mais de 12 horas de sessão tumultuada, o prefeito de Londrina, Homero Barbosa Neto (PDT), teve o mandato cassado por 13 votos favoráveis, três abstenções, duas negativas e uma ausência. A decisão saiu poucos minutos depois das 21 horas desta segunda-feira (30).
A cassação aconteceu logo após os vereadores da Câmara Municipal de Londrina aprovarem o relatório final da Comissão Processante (CP) da Centronic, que apontou responsabilidade do prefeito na contratação de vigilantes da empresa de segurança, que teriam sido pagos com dinheiro da Prefeitura de Londrina para trabalhar na rádio da família dele, a Brasil Sul. Barbosa foi acusado de omissão e negligência na contratação. Com a cassação, Barbosa Neto perde o direito de concorrer à reeleição no pleito deste ano.

Quem assume o cargo é o vice Joaquim Ribeiro, que não dá expediente na prefeitura há um ano, quando se desentendeu com Barbosa Neto.
Durante todo o dia, a defesa do prefeito Barbosa Neto entrou com uma série de pedidos na Justiça para tentar cancelar ou suspender a sessão de julgamento, mas todas foram negadas.Assim que chegou no plenário, por volta das 19h40, o prefeito Barbosa Neto (PDT) interrompeu leitura do processo, invocou o nome de Deus, apresentou decisão judicial e documentos que  ele dizia comprovarem sua própria inocência.  No plenário, o advogado de Barbosa Neto, Rodrigo Sanchez Rios, ainda tentou barrar a votação do relatório, alegando que a defesa não teve prazo para recurso já que a data do julgamento foi marcada logo após a entrega do relatório final da CP da Centronic. Ele pediu a suspensão do julgamento alegando “cerceamento de defesa”, já que o prefeito não teve cinco dias úteis para se manifestar após a conclusão do relatório e antes da votação da cassação. A procuradoria da Câmara, no entanto, concluiu que o argumento da defesa do prefeito não se sustenta porque o prazo recursal previsto no Código de Ética da Casa é aberto para interposição em face das decisões da Comissão Processante. O relatório final da CP não é tratado como decisão, mas como parecer, que possui cunho opinativo.

 

O advogado João Gomes Filho, da defesa do prefeito cassado Barbosa Neto (PDT), lamentou a decisão do plenário da Câmara, que com 13 votos cassou o mandato do ex-chefe do Executivo londrinense e avisou que deve recorrer da decisão.”A regra foi maculada. Os vereadores entendem da parte política, a Justiça vai mostrar que foi uma decisão equivocada”.

Logo após ser cassado, o prefeito Barbosa Neto (PDT) deixou o prédio do Legislativo acompanhado por cabos eleitorais e assessores. Repórteres e fotógrafos que tentaram acompanhá-lo foram agredidos, segundo informações publicadas ontem pelo site O Bonde. “Fui tentar falar com ele e acabei levando socos nos braços e muitos empurrões”, disse a repórter da rádio CBN Londrina, Lívia de Oliveira. Ela contou que os assessores cercaram os profissionais de imprensa para a agressão. “Eles nos deram joelhadas. Fiquei com os braços todos marcados”, afirmou a jornalista, mostrando as marcas. 

 

Vereador e ex-chefe do IAP em Paranaguá são presos pela PF

O vereador Eduardo de Oliveira “Edu” (PSDB) e o ex-chefe do escritório regional do Instituto Ambiental do Paraná (IAP), Matomi Yasuda foram presos na manhã desta sexta-feira (27) pela Polícia Federal. 

A prisão do vereador foi noticiada pela manhã pela jornalista Luciane Chiarelli em seu blog (http://lucianechiarelli.blogspot.com.br) e a prisão de Yasuda pela página do Facebook do site Diário do Estado (https://www.facebook.com/diarioparanagua

À noite, os jornalistas da Gazeta do Povo, Carlos Ohara e Oswaldo Eustáquio, confirmaram as informações: (http://www.gazetadopovo.com.br/vidapublica/conteudo.phtml?tl=1&id=1279907&tit=Vereador-e-ex-chefe-do-IAP-sao-detidos-pela-PF-em-Paranagua)

Já o Blog do Carlyto (http://www.blogdocarlyto.com.br), chegou a noticiar que a Polícia Federal estava fazendo buscas no computador do vereador Edu, mas retirou a notícia em seguida.

Venda de licenças ambientais

Edu e Yasuda são suspeitos de venderem licenças ambientais. Segundo a Gazeta do Povo, a Justiça de Paranaguá decretou sigilo na ação. O jornal informa que o vereador teria sido flagrado em escutas autorizadas pela Justiça intermediando a liberação de licenças ambientais para construções em áreas protegidas. 

A Gazeta reforça a informação do Diário do Estado de que Edu teria sido flagrado recebendo uma propina de R$ 500 mil. “O dinheiro teria sido pago por uma empresa de logística portuária instalada em Paranaguá”, diz o jornal.

“Yasuda e Oliveira foram levados para sede da PF em Paranaguá, onde foram ouvidos. No final da tarde, o vereador parnanguara foi transferido para a superintendência da PF em Curitiba. O ex-chefe do IAP permaneceu detido na sede do 9º Batalhão da Polícia Militar em Paranaguá”, informam Ohara e Eustáquio. 

Os jornalistas também ouviram o advogado do vereador:

“O advogado Cláudio Dalledone, responsável pela defesa do vereador, disse na noite de sexta que não teve acesso aos autos que estão sob segredo de Justiça. Segundo ele, Oliveira já havia se colocado a disposição das autoridades há cerca de um mês para ser ouvido, pois havia boatos na cidade sobre o envolvimento do vereador. Dalledone disse que iria protocolar um mandado de segurança para ter acesso ao processo e adotar medidas para soltura de seu cliente.” 

Fonte : Correio do Litoral

LISTA ATUALIZADA DE CANDIDATURAS INAPTAS EM PONTAL DO PARANÁ

Nome do Candidato Nome para urna Número Situação Partido Coligação
APARECIDA GIOVANINI PRESTES CIDA DO VINTE E QUATRO HORAS 19777 Renúncia PTN UNIÃO, FÉ E TRABALHO (PDT-PTN-PSDC-PSB)
BENEDITO FERREIRA SETE 15007 Indeferido PMDB PMDB-PT-PSC-PTC-PT do B
CLAUDIA LESSAK BRUNER CLAUDIA BRUNER 17007 Renúncia PSL Partido não coligado
ELIZETE NASCIMENTO MUNIZ DA SILVA ELIZETE CABELEIREIRA 19123 Indeferido PTN UNIÃO, FÉ E TRABALHO (PDT-PTN-PSDC-PSB)
HENRIQUE GRIBNER DE ALMEIDA GOÇALVES HENRIQUE ALMEIDA 70444 Renúncia PT do B PMDB-PT-PSC-PTC-PT do B
IVONE POPOVISKI DE AZEVEDO PROFESSORA IVONE 17999 Renúncia PSL Partido não coligado
MARIA ODETE DA COSTA PEREIRA ODETE SHANGRILÁ 17222 Renúncia PSL Partido não coligado
SEBASTIÃO ALVES DO PRADO SEBASTIÃO 17790 Indeferido PSL Partido não coligado
SILVIO RIGOLIN SILVIO RIGOLIN 23223 Indeferido PPS PV-PPS-DEM
VALDECIR PEDRO DOS SANTOS JAMAICA 17300 Renúncia PSL Partido não coligado
VALDELI LEOCADIA WERNECK DE CAPISTRANO VAL 14133 Renúncia PTB PONTAL DE CORAÇÃO

TSE DILVULGA CANDIDATURAS INAPTAS EM PONTAL DO PARANÁ

Nome do Candidato  –  Nome para urna  – Número  – Situação  – Partido Coligação


1 – BENEDITO FERREIRA –  SETE 15007 –  Indeferido – PMDB PMDB-PT-PSC-PTC-PT do B


2 – CLAUDIA LESSAK BRUNER CLAUDIA –  BRUNER 17007 –  Renúncia PSL Partido não coligado


3 – HENRIQUE GRIBNER DE ALMEIDA GOÇALVES  – HENRIQUE ALMEIDA 70444 Renúncia PT do B PMDB-PT-PSC-PTC-PT do B


4 – SEBASTIÃO ALVES DO PRADO – SEBASTIÃO 17790 –  Indeferido PSL Partido não coligado


5 – SILVIO RIGOLIN – SILVIO RIGOLIN –  23223  – Indeferido PPS PV-PPS-DEM

ABORDAGEM VIOLENTA

Hoje, 24 de julho, pouco antes das 9 hs da manhã,  entre o balneários de Guarapari e Ipanema, no trecho conhecido como Moitinha, sete jovens que estavam indo de bicicletas fazer juramento da bandeira na Casa da Cultura, foram abordados por uma viatura da Polícia Militar e segundo relato de uma mãe, foram espancados pelos PMs sem o menor motivo.

Segundo essa mãe esses jovens não têm passagens pela polícia e nem houve bate boca entre eles e os policiais. 

As famílias dos jovens registraram queixa contra a atitudes do policiais e pretendem mover ação judicial contra a violência praticada na abordagem.

IMPUGNAÇÕES REJEITADAS EM PONTAL DO PARANÁ

Em que pese o conteúdo da decisão é contra a tendência de moralização da administração, ainda mais quando aplica-se concomitantemente aos princípios e ditames da Lei de Ficha Limpa, inegável que o artigo 52, parágrafo segundo, extrapola os limites di texto legal, extrapolando a sua função regulamentar.

 

Diante do exposto foi rejeitado  as impugnações, deferindo conseguentemente  os pedidos de registros de 

Gergelli

Xaropinho

Cleonice

Beto Silva e

Newton Compadre

 

RODRIGO BRUM LOPES

Juiz Eleitoral – 194 zona

Pontal do Paraná terá pente-fino da Controladoria-Geral da União

O município de Pontal do Paraná foi um dos 60 escolhidos nesta segunda-feira (23) no Programa de Fiscalização por Sorteios Públicos da Controladoria-Geral da União (CGU).

Os auditores vão focar a aplicação de recursos federais nas áreas de saúde, educação e desenvolvimento social, assim como apurar denúncias e representações contra que tenham sido feitas à CGU. 

Além de Pontal, no Estado foram sorteadas as cidades de Terra Rica (Noroeste) e Bela Vista da Caroba (Sudoeste). 

O programa da CGU visa inibir desvios de verbas na administração pública. A controladoria vistoria também falhas de gestão, como casos de divergências nas prestações de contas. As capitais e os municípios com mais de 500 mil habitantes não entram no sorteio.

O Programa de Fiscalização a partir de Sorteios Públicos é uma iniciativa do governo federal criado no governo Lula, em abril de 2003. O Programa usa o mesmo sistema de sorteio das loterias da Caixa Econômica Federal para definir as áreas municipais e estaduais a serem fiscalizadas quanto ao correto uso dos recursos públicos federais.

A cada sorteio são definidos 60 municípios. Em cada uma dessas unidades, os auditores examinam contas e documentos e fazem inspeção pessoal e física das obras e serviços em realização, mas privilegiam, sobretudo, o contato com a população, diretamente ou através dos conselhos comunitários e outras entidades organizadas, como forma de estimular os cidadãos a participarem do controle da aplicação dos recursos oriundos dos tributos que lhes são cobrados. 

Os relatórios contendo os resultados dos sorteios são encaminhados aos Ministérios gestores das políticas públicas, possibilitando a adoção de providências para a correção de desvios verificados, bem como subsidiando a avaliação dos programas de governo e a implementação de melhorias eventualmente identificadas como necessárias.

Desde 2003, já foram fiscalizados 1.941 municípios. As ações de controle já analisaram R$ 17,8 bilhões transferidos pelo Governo Federal. Entre os problemas identificados com maior frequência pela CGU, estão: fraudes em processos licitatórios; falta de medicamentos; condições inadequadas de armazenagem de alimentos destinados à merenda escolar; superfaturamento de preços; e pagamento por serviços não realizados. 

Fontes: Agência Brasil e CGU – Foto: Arquivo Agência Brasil 
Edição: Correio do Litoral.com

CONSTRUÇÃO DE 70 MIL CASAS NO PARANÁ

O Governo do Paraná e o Ministério das Cidades as Cidades,  firmaram nesta segunda-feira (23/07), no Palácio Iguaçu, em Curitiba, o acordo de cooperação que assegura ao Paraná R$ 3,375 bilhões para a construção de 70 mil moradias no Estado. 

A iniciativa integra os programas habitacionais Morar Bem Paraná, do governo estadual, e o Minha Casa Minha Vida, do governo federal. O acordo envolve a Companhia de Habitação do Paraná (Cohapar), responsável pela execução das obras, Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil, que são os agentes financeiros, e as prefeituras. 

A meta é atender 110 mil famílias com casa própria até 2014, com a construção de moradias urbanas e rurais, e a garantia de recursos federais é fundamental para atingir o objetivo. . 

CONVÊNIO – O convênio estabelece a união entre entidades para a liberação de financiamentos para moradias para a população de baixa renda. Além dos recursos federais que foram assegurados, a Cohapar tem R$ 1 bilhão para oferecer como contrapartida. O valor deve ser utilizado em conjunto com outros recursos do Estado em obras de infraestrutura urbana e serviços de luz, água, saneamento e pavimentação. 

As prefeituras municipais entram na parceria com doações de áreas e terrenos para a construção de casas. Segundo o presidente da Cohapar, Mounir Chaowiche, desde o ano passado, já foram assinados por meio do programa Morar Bem Paraná convênios para a construção de 40 mil casas em 360 municípios paranaenses. “A Cohapar vai atender todos os municípios até o final deste ano”, ressaltou.

Em 2009 encaminhei ofício  ao prefeito Rudisney Gimenes, solicitando indicar áreas públicas para viabilização de construção de casa através desses programa. Como sempre não obtive resposta. 

CONTROLADORIA GERAL DA UNIÃO FISCALIZARÁ USO DE VERBAS FEDERAIS EM PONTAL DO PARANÁ

  • A Controladoria -Geral da União (CGU) sorteou nesta segunda-feira (23) mais 60 municípios que vão ser fiscalizados pelo Programa de Fiscalização por Sorteios Públicos. Nas cidades com até 50 mil habitantes, os auditores vão focar a aplicação de recursos federais nas áreas de saúde, educação e desenvolvimento social, assim como apurar denúncias e representações contra os municípios que tenham sido feitas à CGU.

    Os municípios com população de 50 mil a 500 mil habitantes vão ser fiscalizados os recursos repassados pelo governo federal que devem ser aplicados nas áreas de educação e desenvolvimento social.

    O programa da CGU visa inibir desvios de verbas na administração pública. A controladoria vistoria também falhas de gestão, como casos de divergências nas prestações de contas. As capitais e os municípios com mais de 500 mil habitantes não entram no sorteio.

    De acordo com o sorteio, no estado do Paraná serão fiscalizados três municípios: Pontal do Paraná, Bela Vista da Caroba. Também serão fiscalizadas três cidades em Goiás, no Pará, em Pernambuco e no Rio Grande do Norte. Sete municípios (um por estado) em Alagoas, no Amazonas, no Amapá, no Espírito Santo, em Mato Grosso do Sul, no Rio de Janeiro e no Tocantins; 12 municípios (dois por estado) no Maranhão, no Mato Grosso, na Paraíba, no Piauí, em Santa Catarina e em Sergipe, quatro no Ceará, quatro no Rio Grande do Sul, cinco na Bahia, seis em São Paulo e sete em Minas Gerais.

    A lista completa com os nomes dos municípios está disponível na página da CGU.