GUARDA MUNICIPAL RECUPERA VEÍCULO ROUBADO

Guarda MunicipalNo final da tarde de ontem, 29/01, a central da Guarda Municipal  recebeu alerta que um veículo havia sido roubado em Pontal do Paraná.

Imediatamente o alerta foi transmitido para as  para as viaturas que estavam realizando o patrulhamento preventivo pelas ruas de Pontal do Paraná.

Felizmente, as 19:27h a viatura VTR-05, localizou o veículo modelo Gol prata placa AEE-9848, na Rua Paranavaí esquina com Rua Florianópolis , Balneário Shangri-lá. Provavelmente os meliantes ao perceberem a atuação da Guarda Municipal abandonaram o objeto do roubo. O proprietário foi acionado por telefone, compareceu ao local e constatou que era seu veículo.

Diante disso os Guardas Municipais conduziram proprietário e veículo para a Delegacia de Ipanema para a baixa no registro de roubo e demais procedimentos de praxe.

Câmara de Pontal do Paraná tem contas de 2010 aprovadas após recurso

 

 

O Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR) acatou recurso do ex-presidente da Câmara Municipal de Pontal do Paraná (Litoral), Nelson Lorençone, contra o Acórdão nº 7798/14 do Tribunal Pleno, que havia mantido a primeira decisão pela irregularidade das contas do Legislativo municipal em 2010. Com a nova decisão, o TCE-PR aprovou as contas daquele ano.

O motivo para a desaprovação havia sido a divergência entre os valores do ativo e passivo financeiros constantes na contabilidade da Câmara em relação àqueles do balanço patrimonial constante no Sistema de Informações Municipais-Acompanhamento Mensal (SIM-AM) do TCE-PR. Em seu pedido de rescisão, o requerente juntou a republicação do balanço patrimonial do Legislativo municipal no Diário Oficial de Pontal do Paraná e no site da Câmara na internet.

Na instrução do processo, a Diretoria de Contas Municipais (DCM) atestou que houve o saneamento das irregularidades, destacando que o balanço patrimonial republicado não apresentava diferenças em relação aos dados informados no SIM-AM. Assim, a unidade técnica opinou pelo provimento do recurso. O Ministério Público de Contas (MPC) acompanhou o entendimento da unidade técnica.

Ao fundamentar seu voto, o relator do processo, conselheiro Durval Amaral, afirmou que houve a regularização da impropriedade apontada com a juntada das provas documentais e ratificou a posição da DCM e do MPC.

Na sessão do Tribunal Pleno de 10 de dezembro, os conselheiros acompanharam, por unanimidade, o voto do relator. O novo acórdão de parecer prévio (número 6137/2015 – Tribunal Pleno) foi publicado no último dia 6 de janeiro, na edição 1.272 do Diário Eletrônico do TCE-PR, veiculado no portal www.tce.pr.gov.br.

 

Serviço

Processo nº: 39191/15
Acórdão nº 6137/15 – Tribunal Pleno
Assunto: Pedido de Rescisão
Entidade: Câmara Municipal de Pontal do Paraná
Interessado: Nelson Lorençone
Relator: Conselheiro José Durval Mattos do Amaral

Autor: Diretoria de Comunicação Social Fonte: TCE/PR

 

 

ASSALTANTE MORTO EM PONTAL DO PARANÁ

Dois indivíduos foram encontrados baleados em uma residência no balneário Monções, em Pontal do Paraná, um deles, inclusive, em óbito.

Eles entraram em uma residência afim de praticar um assalto, mas acabaram sendo surpreendidos pelo proprietário . O sobrevivente foi encaminhado ao PS local, enquanto o corpo do seu comparsa foi levado ao IML.

 

Motorista multado antes de acidente explica silêncio e diz que suspensão de júri foi a gota d’água

O motorista multado quatro minutos antes do acidente envolvendo o ex-deputado Luiz Fernando Ribas Carli Filho disse que a suspensão do júri foi a gota d’água que o levou a divulgar o documento – a infração coloca em dúvida a versão de “apagão” dos radares dada pela empresa responsável. Em entrevista coletiva na tarde desta quarta-feira (20), o rapaz, que preferiu não ter o nome revelado, declarou ainda que se omitiu por quase sete anos por medo de sofrer ameaças e retaliações.

“Eu temi pela minha segurança e da minha família. Cada vez que o júri era adiado, eu me revoltava. Mas dessa vez, eu pensei ‘isso já está demais’, preciso achar essa multa e enviar para a família Yared. Podia ter sido eu a vítima do acidente”, afirmou o motorista.

A multa foi registrada quatro minutos antes do acidente, na Rua Monsenhor Ivo Zanlorenzi, por um radar que fica a cerca de 200 metros após o ponto da colisão. “Eu recebi a infração por passar um pouco acima da velocidade permitida ali no trecho. Ninguém mais sabia disso, a não ser os meus familiares. Eu fiquei com medo, porque a própria família das vítimas havia recebido ameaças, então imagine o que poderia acontecer comigo. Depois que tomei coragem para enviar o documento, me arrependi de não ter feito isso antes. Não sei o efeito que a multa terá no processo, mas vou ajudar no caso enquanto eu puder”, completou o motorista.

Ele relatou, ainda, que não recebeu nenhum tipo de contato por parte da empresa responsável pelos radares, a Consilux, que alegou problemas nos equipamentos no dia do acidente. Ela ainda não se pronunciou oficialmente sobre o caso.

“Que mistério é esse que não conseguimos revelar?”

A deputada federal Christiane Yared, mãe de uma das vítimas do acidente, comentou que a revelação da multa mostra a estranheza de toda a situação. “Nós sabíamos que, em algum momento, informações como essa viriam à tona. O radar funcionava quatro minutos antes do acidente e depois não funcionava mais? O que realmente aconteceu naquela madrugada?”, questionou ela.

De acordo com Yared, a multa será protocolada junto ao processo que corre no Ministério Público do Paraná (MPPR), investigado pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco). “Essa apuração, que ocorre paralelamente à esfera criminal, tem como objetivo esclarecer se houve racha na ocasião do acidente e por que a imagem do posto de gasolina está adulterada. Por que o estabelecimento foi vendido após a ocorrência e nenhum funcionário ficou lá? Que mistério é esse que não conseguimos revelar? Nós precisamos entender o que houve naquela noite, para que tenhamos paz”, concluiu.

Yared convida ainda outras pessoas que foram multadas no mesmo dia e próximo do horário do acidente, à 00h54 de 7 de maio de 2009, a entrarem em contato com ela.

Multa foi divulgada pelo pai da vítima, Gilmar Yared, no Facebook. (Foto: Reprodução)

 

Autenticidade da multa

A prefeitura de Curitiba informou que, com base nos dados repassados pela Consilux, confirma a autenticidade do auto de infração na Rua Ivo Zanlorenzi à 0h50 de 7 de maio de 2009, para um automóvel VW Gol 1.0. O radar que registrou a infração estava localizado na altura do número 940 da via, próximo ao Rio Barigui.

Consilux

A Consilux informou que o contrato firmado com a Prefeitura de Curitiba foi encerrado em 2009 e que a empresa não possui mais registros sobre os radares em operação na época. A empresa esclareceu que não era responsável pela emissão das multas, apenas repassava as imagens dos equipamentos para a Diretoria de Trânsito de Curitiba (Diretran).

Julgamento

A uma semana do julgamento marcado para os dias 21 e 22 de janeiro, o Supremo Tribunal Federal (STF) concedeu liminar em favor da defesa de Carli Filho. Com isso, o júri popular está suspenso e sem data para acontecer.

O ex-deputado é acusado de matar dois jovens em um acidente de trânsito, em 2009, quando dirigia embriagado e em alta velocidade no bairro Mossunguê, em Curitiba. No recurso, a defesa do ex-parlamentar alega nulidade de provas e cerceamento de defesa. Agora, o ministro Gilmar Mendes, que está de férias, avaliará em fevereiro o mérito do Habes Corpus pedido pelos representantes de Carli.

O caso

O acidente vitimou Gilmar Rafael Souza Yared, de 26 anos, e Carlos Murilo de Almeida, de 20.  Na ocasião, a acusação informou que o ex-deputado dirigia embriagado e tinha 130 pontos na carteira de habilitação por infrações de trânsito.

 

Dono de apartamento mantido refém pega arma de ladrão, atira e o mata

Um assaltante morreu baleado após fazer uma família refém em um apartamento no bairro Boqueirão, em Curitiba, nesta terça-feira (19). Ele se distraiu enquanto amarrava a moradora do local, momento em que o marido dela conseguiu pegar o revólver do ladrão e atirou contra ele.

O caso aconteceu na Rua Salvador Ferrante. Segundo a aspirante Jéssica Moraes, da Polícia Militar (PM), o assaltante ficou pelo menos duas horas no apartamento, separando os objetos que roubaria.

“Ele fez o pai, a mãe e o filho do casal, um adolescente de 15 anos, reféns. As vítimas contaram que ele ainda aguardava o apoio de mais meliantes para fazer a limpa em outros apartamentos. Quando o indivíduo foi tentar amarrar a mulher, se distraiu e o dono da casa pegou a arma dele”, contou a aspirante.

O homem atirou no assaltante, que morreu no local. “Foi legítima defesa, mas de qualquer maneira, ele deve ser encaminhado à delegacia para prestar os esclarecimentos”, completou a aspirante.

O corpo do assaltante foi recolhido ao Instituto Médico Legal de Curitiba e a Polícia Civil deve investigar o caso.

PM PRENDE MULHER SUSPEITA DE TRÁFICO EM PONTAL DO SUL

normal_440091093bea647bde9520f20c730da1

 

Uma ação da Polícia Militar durante o “Verão Paraná 2015/2016” no balneário de Pontal do Sul, em Pontal do Paraná (PR), no Litoral do estado, resultou na prisão de uma mulher que seria traficante na região e um homem que possuía um mandado de prisão em aberto. Os trabalhos aconteceram no fim da tarde desta segunda-feira (18/01).

A ação foi desencadeada por equipes do 9º Batalhão de Polícia Militar (9º BPM), pertencente ao 6º Comando Regional da PM (6º CRPM), atuantes no “Verão Paraná 2015/2016”. “A mulher foi abordada em frente a uma residência no balneário de Pontal do Sul em atitude suspeita e, dentro da casa, os policiais militares encontraram 11 buchas de cocaína, aproximadamente 50 gramas de maconha e uma balança de precisão”, explicou o Subcomandante Operacional do “Verão Paraná 2015/2016”, capitão César Kamakawa.

Depois, as equipes policiais abordaram um homem que caminhava de forma suspeita pelo mesmo balneário. Na verificação dos dados pessoais dele, os policiais militares constataram que o mesmo tinha um mandado de prisão em aberto. Os presos das duas ocorrências foram levados até a delegacia de Pontal do Paraná (PR) para os procedimentos cabíveis.