POLÍCIA MILITAR PRENDE 12 PESSOAS POR TRÁFICO DE DROGAS EM PRAIA DE LESTE

 

A imagem pode conter: 1 pessoa, em pé e área interna

Uma operação da Polícia Militar realizada na madrugada e manhã desta quinta-feira (23) tirou de circulação uma quadrilha que comercializava drogas no litoral do Paraná.

De acordo com o major César Kamakawa, que coordenou a operação, foram cumpridos Mandados de Busca e Apreensão que culminaram na prisão de doze pessoas, armas, drogas e dinheiro.

O bando, que contava com sete mulheres, era integrado em sua maioria por membros de uma mesma família e realizava atividades ligadas ao tráfico de drogas de Praia de Leste a Pontal do Sul.

Ao todo, foram apreendidos, dois pés de maconha de aproximadamente 1,5 metros cada e mais 1,4 quilo da droga, duas armas de fogo, 52 munições de calibre 38, 435 gramas de crack, oito buchas de cocaína, 46 pontos de LSD, três balanças de precisão e R$ 3 mil em dinheiro.

“Uma mesma família praticamente gerenciava o tráfico de drogas na região”, salientou o major Kamakawa. Ainda segundo ele, as denúncias feitas pelo 190 e 181 têm sido fundamentais para um trabalho mais efetivo da Polícia.

POLÍCIA CIVIL PRENDE 4 PESSOAS POR TRÁFICO DE DROGAS EM SHANGRI-LÁ

A Polícia Civil também desencadeou uma operação na manhã desta quinta-feira e tirou de circulação quatro pessoas envolvidas com o tráfico de drogas.

Eles agiam principalmente no balneário de Shangri-lá. Com eles os policiais encontraram crack e maconha prontos pra comercialização.

Foram detidos pela Polícia Civil: Edgar da Silva Vieira, Roberto Carlos Ferreira, Felipe André e Suéllen Gonçalves. Alguns deles possuíam mandados de prisão por diversos crimes.

POLÍCIA MILITAR APREENDE MAIS DE 300 BUCHAS DE MACONHA EM PONTAL DO SUL

 

MACONHA-PONTAL-DO-PARANÁ-2-1392x928.jpg

Cerca de 300 buchas de maconha, dinheiro e uma balança de precisão foram apreendidos em Pontal do Paraná (PR), no litoral do estado, por policiais militares da operação “Verão Paraná 2016/2017”.

A ação aconteceu na tarde de segunda-feira (20/02) e resultou em duas pessoas encaminhadas à Delegacia de Polícia Civil.

Os policiais receberam algumas informações e foram até uma residência em Pontal do Sul.

No local encontraram dentro de um refrigerador quase 300 buchas de maconha. Na casa também foram apreendidos uma balança de precisão e uma quantia em dinheiro.

Dois homens foram encaminhados para as devidas providências, juntamente com a droga e os demais objetos apreendidos.

Segundo a PM, droga seria comercializada no litoral durante o carnaval.

20-02-2017 Apreensão de drogas em Pontal do Paraná.

Preso em cadeia superlotada deve ser indenizado pelo Estado

superlotacao-cadeias

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu na quinta-feira (16) que presos em situações degradantes têm direito a indenização em dinheiro por danos morais.

Por unanimidade, a Corte entendeu que a superlotação e o encarceramento desumano geram responsabilidade do Estado em reparar os danos sofridos pelos detentos pelo descumprimento do princípio constitucional da dignidade da pessoa humana.

A questão foi decidida no caso de um preso que ganhou o direito de receber R$ 2 mil em danos morais após passar 20 anos em um presídio em Corumbá (MS). Atualmente, ele cumpre liberdade condicional.

Os ministros Luís Roberto Barroso, Edson Fachin, Rosa Weber, Luiz Fux, Dias Toffoli, Gilmar Mendes, Celso de Mello e a presidente do STF, Cármen Lúcia, votaram a favor do pagamento da indenização.

Houve divergência apenas em relação ao pagamento dos danos morais para o caso julgado. Apesar de também entender que a indenização é devida, Barroso entendeu que o pagamento em dinheiro não é a forma adequada para indenização.

Ele sugeriu a compensação por meio da redução da pena na proporção de um a três dias de desconto na pena a cada sete dias que o detento passar preso inadequadamente.

Para Barroso, a indenização pecuniária agravaria a situação fiscal dos estados.

O ministro Luiz Fux concordou com Barroso e afirmou que a situação dos presídios contraria a Constituição, o que torna as condenações penas cruéis.

“A forma como os presos são tratados, as condições das prisões brasileiras implicam numa visão inequívoca de que as penas impostas no Brasil são cruéis”, disse.

Operação da PM encaminha oito suspeitos para delegacia no litoral

https://i2.wp.com/www.seguranca.pr.gov.br/modules/galeria/uploads/6573/29.jpg

Cinco armas de fogo (quatro pistolas e um revólver) foram apreendidas e oito pessoas encaminhas (três mulheres e cinco homens), além de uma adolescente, em uma operação de Cumprimento de Mandados de Busca e Apreensão deflagrada na manhã deste sábado pela Polícia Militar do Paraná nos municípios de Pontal do Paraná e Matinhos, no litoral do Estado. Além das armas, a maioria de calibre restrito, os policias militares, atuantes no Verão Paraná 2016/2017, encontraram centenas de munições, dinheiro e drogas, entre outros materiais ilícitos e de origem suspeita. A ação iniciou-se às 6h simultaneamente nos locais alvos.

“Esse é o resultado de um trabalho pautado pela preocupação do Governo do Estado em garantir maior tranquilidade aos veranistas, com prévio levantamento de informações feito pela Polícia Militar, que durou cerca de 15 dias. Após isso foi apresentada ao Poder Judiciário a demanda e a necessidade de mandados de busca e apreensão nas residências suspeitas, culminando com a operação na manhã de hoje”, relata o major Cesar Kamakawa, subcomandante do 9º Batalhão da PM e coordenador operacional do Verão Paraná 2016/2017. “Essas ações serão intensificas também no período de Carnaval”, garante.

A AÇÃO – Os Mandados de Busca e Apreensão foram cumpridos, a partir das 6h da manhã deste sábado (18) da seguinte forma: um em Pontal do Paraná (balneário Grajaú) e quatro em Matinhos (Inajá, Vila Nova e Vila dos Pescadores – Mangue Seco).

Em Pontal, uma adolescente de 12 anos foi apreendida e, na casa em que ela estava, que era alvo da operação, foi encontrado uma bucha de maconha e uma de cocaína. Os responsáveis pela residência não estavam em casa.

Em Matinhos, no balneário Inajá, foram duas pessoas (o filho de 23 anos e mãe de 43 anos) – o rapaz já tinha passagens por tráfico e a mulher estava com mandado de prisão em aberto por receptação. “Chegamos à casa para cumprir mandado de busca e, quando consultamos os nomes no sistema, descobrimos que ela estava figurando como foragida da justiça, por isso a encaminhamos”, conta Kamakawa.

Na casa deles foram encontradas três armas de fogo, um revólver 38 e duas pistolas .9mm e calibre .380), além de uma balança de precisão, dois celulares, uma TV 32 polegadas, R$ 59,00 em moedas e R$ 94 em cédulas, 10 munições 556, 7 munições de calibre 45, uma de calibre 40, 48 munições de 9mm, 488 munições de 380, uma bucha maconha cerca de 10g, 35 pedras de crack (aproximadamente 4g), algumas buchas de cocaína (cerca de 52g).

Ainda em Matinhos, em duas casas (sendo uma delas um ferro-velho), no bairro Vila Nova, a PM apreendeu duas pistolas (uma calibre.45, com 8 munições intactas, e outra calibre.9mm, marca Cherokee com 27 munições intactas) e encaminhou dois homens (um com 24 e outro com 33 anos), R$ 673,00, uma toca balaclava, 67g de maconha e eletrônicos.

Na Vila dos Pescadores no Mangue Seco, em Matinhos, a PM também cumpriu mandado e apreendeu 493g de maconha (divididas em buchas pequenas e armazenadas em saquinhos maiores) e encaminhou duas pessoas (uma mulher de 54 anos e um homem 38 anos), ela com passagem por tráfico e ele por furto. A droga encontrada estava em um terreno ao lado da casa.

Na Rua Tomazina, no bairro Vila Nova, ainda em Matinhos, a PM localizou um casal (ele com 29 anos e ela com 30 anos) e com eles uma nota de R$ 5,00 manchada com tinta rosa.

“Eles também foram encaminhados tendo em vista que é uma mancha características de resultado de explosão em caixas eletrônicos. Esta tinta é usada pelos estabelecimentos bancários exatamente para marcar notas caso haja violação do cofre, o que facilita a investigação e localização delas, bem como dos envolvidos, não significando necessariamente que o casal deste caso de hoje está ligado com alguma quadrilha, mas que foram encaminhados para esclarecer a posse desta nota”, explica o major

JUSTIÇA PODERÁ CASSAR PREFEITO DE PONTAL DO PARANÁ

 

Decisão do TRE de manter irregularidades nas contas de Marcos Casquinha coloca fogo na política de Pontal do Paraná. Binho poderá se tornar prefeito e Sene Presidente da Câmara Municipal.

Quando o juiz eleitoral da Comarca de Matinhos, aprovou com ressalvas as contas de campanha do Prefeito eleito, Marcos Casquinha ,era sinal de irregularidades, as quais o magistrado já havia condenado Casquinha ao aceitar como provas lícitas os documentos juntados nas denuncias da chapa de Edgar Rossi.

A coligação de Casquinha recorreu da decisão e o recurso foi para os Desembargadores do TRE . O julgamento aconteceu na última semana e o colegiado por unanimidade acataram e foram favoráveis a decisão do Juiz da comarca e reconheceram as irregularidades, recibos sem assinatura e outras tantas.

O processo retornou ao juiz de primeiro grau e o mesmo poderá sentenciar Casquinha e seu vice Fabio a perda do mandato.Outros processos com provas mais contundentes, estão na promotoria eleitoral da Comarca, para parecer e poderá ter o mesmo caminho já tomado pela justiça

Se Marcos Casquinha for afastado da função de prefeito, quem assume é o presidente da Câmara vereador Binho e seu vice vereador Sene,se tornaria presidente da casa de leis.O TSE tem demorado até um ano para marcar nova eleição, a decisão não afetaria os vereadores eleitos

Mais de 20 prefeitos foram cassados na última eleição no Paraná e muitos deles com problemas inferior ao de Marcos Casquinha. Segundo informações Marcos Casquinha recorreu ao Tribunal Superior Eleitoral em Brasília.

O Paraná tem 19 cidades em que a eleição terminou no primeiro turno, mas cujos eleitores ainda não sabem que será o próximo prefeito. Esses municípios, que têm um total de 329.682 eleitores, tiveram candidatos com registros indeferidos pela Justiça Eleitoral.

Fonte Facebook Altair

Empresários de Pontal criam movimento para defender nova rodovia

A Associação Comercial, Industrial e Agrícola de Pontal do Paraná (Aciapar) criou a campanha “Quem é de Pontal sabe que é bom” para defender a construção de uma nova rodovia.

A campanha também defende melhorias de infraestrutura e apontam alguns problemas crônicos no município: “Alagamentos frequentes, crescimento desordenado, desemprego, trânsito, insegurança e falta de investimentos em turismo e infraestrutura”, elenca a divulgação da campanha.

“Mesmo com bons resultados durante a temporada, não conseguimos sobreviver com dignidade. Precisamos de mais investimentos para receber melhor os veranistas, atrair moradores e oferecer qualidade de vida e um futuro melhor para os pontalenses”, afirma Gilberto Espinosa, presidente da Aciapar. O grupo informa que realiza reuniões periódicas para discutir assuntos como limpeza urbana, receita do município, falta de pavimentação, “marginalidade”, entre outros.

“Estamos vivendo uma situação crítica, afastando turistas e investidores. Temos que apoiar o desenvolvimento, desafogar o tráfego e trazer mais segurança e modernização para Pontal”, diz o empresário Luiz Carlos Mansur.

Polêmica

Uma das primeiras “lutas” do grupo é pela aprovação da construção da nova rodovia entre a PR-407 (Estrada das Praias) e a Ponta do Poço – cuja próxima audiência pública está marcada para o dia 10 de março.

O projeto divide opiniões em Pontal. Os críticos argumentam que ela vai provocar um grande impacto ambiental e social e beneficiar sobretudo um terminal portuário privado que está sendo construído na Ponta do Poço, no final da estrada.

Uma audiência pública chegou a ser realizada pelo Governo do Paraná, autor do projeto, no dia 23 de janeiro e reuniu cerca de mil pessoas. Dias depois, a juíza Bianca Bacci Bisetto, da Comarca de Pontal, atendendo pedido da Promotoria de Justiça, determinou que o Governo promovesse uma nova audiência pública.

O Ministério Público do Paraná (MP-PR) considera que os estudos de impacto ambiental precisam ser complementados e que é preciso maior prazo para que as instituições analisem os documentos.

De acordo com o MP, o EIA/Rima (Estudo e Relatório de Impacto Ambiental) elaborado não contem maiores informações sobre os projetos da ferrovia, linhas de transmissão de energia elétrica, saneamento e gasoduto e seus respectivos impactos ambientais.

Críticas a ONGs e “estudantes”

“Esta faixa vai mudar o perfil de todo o município, trazendo desenvolvimento e oportunidades de emprego. A nova estrada é a espinha dorsal de Pontal do Paraná no que diz respeito a melhorias para o comércio, segurança, educação e saúde”, diz o comerciante Walter Cavalcanti.

“Infelizmente, muitos parecem gostar da situação de pobreza, de falta de cultura, de recursos e de desorganização existente hoje em Pontal. Muitas ONGs e estudantes – que depois vão embora, nos deixando com ainda mais problemas – são contra tudo e jamais apresentaram soluções. É possível sim aliar desenvolvimento à preservação ambiental. É possível sim termos um crescimento ordenado, desde que o município se organize, que o poder público tenha boa vontade e competência. O que não se pode é condenar uma população a viver contando trocados ou atrasando contas”, diz a dentista Luciane Novisk.

Fonte: IEME Comunicação  – Edição: Correio do Litoral