PM captura um dos traficantes mais perigosos do litoral do Paraná

https://i1.wp.com/www.seguranca.pr.gov.br/modules/galeria/uploads/5547/image2.jpeg

Uma cena que mais parecia filme registrou na última sexta-feira (29) a prisão de um dos principais traficantes do litoral do Paraná. Após tentar fugir pelo mangue, o homem de 37 anos, que já tem passagens pela polícia, foi preso pela Policia Militar em Paranaguá. Na ação também foram apreendidos 504 gramas de pasta base de cocaína, 307 gramas de crack, 900g de maconha, R$ 724,00 em dinheiro e duas balanças de precisão, além de um veículo.

Por volta das 18h policiais militares de Paranaguá, a partir de denúncias anônimas, localizam em uma rua, um veículo Fox suspeito de estar com drogas. “Quando percebeu a presença da viatura, o condutor acelerou, mas foi parado pelas equipes. Como estava perto do rio ele pulou na água e nós abordamos o carro no qual ficou a mulher dele”, conta o capitão Nelson Gonçalves, do 9º Batalhão da PM. “No carro encontramos a maconha, dividida em três pedaços grandes, e o dinheiro”, completa o oficial.

Neste momento as equipes também já tinham pedido apoio da Rondas Ostensivas Tático Móvel (ROTAM) e do Batalhão de Polícia Militar de Operações Aéreas (BPMOA). “Fizemos buscas aéreas em toda a área de mangue, rio e residências, e até visualizamos rastros dele; cada detalhe repassávamos para as equipes de viaturas em terra”, relata o capitão Antonio Claudio da Cruz, Comandante da aeronave para participou da ação. “Com a aeronave conseguimos uma visão privilegiada e conseguimos contribuir bastante”, complementou.

Depois de cerca de uma hora de buscas, as equipes do 9º Batalhão da PM conseguiram pegá-lo quando saía do mato, aproximadamente 5km do local que entrou na água. “Ele pulou no rio, atravessou a nado, e se embrenhou na mata, valendo-se do conhecimento da área. No entanto, ele não contava com a experiência de nossos policiais, que trabalham aqui há bastante tempo e também conhecem a área”, explicou o capitão Nelson. De acordo com ele, logo depois da fuga e da abordagem ao veículo, os policiais empregaram um barco de um cidadão local e seguiram as buscas pelo rio.

A mulher, segundo o capitão, confessou que havia mais drogas na residência e uma equipe foi até lá. “Na casa nós localizamos o restante da droga: 504 gramas de pasta base de cocaína, 307 gramas de crack [9 buchas médias e dois pedaços grandes e alguns pequenos] e duas balanças de precisão”, revela o capitão Nelson. Estes materiais foram, juntamente com a apreensão feita antes e o carro, encaminhados à delegacia de Polícia Civil de Paranaguá para as medidas cabíveis.

Pela ROTAM participaram da ação os policiais militares Cabo Feltz, Sd. Gessé, Sd. Campos e Sd. Vilarinho, além dos policiais do Serviço Reservado e Velado do 9º BPM. “Mais uma grande ação de nossas equipes no combate ao tráfico de drogas; também agradecemos a comunidade pela confiança de nós repassar informações que levam à prisão de marginais e apreensão de ilícitos”, agradece o capitão. Traficante tenta fugir a nado, se embrenha no mangue, mas não consegue fugir de ação coordenada da Polícia Militar no litoral e acaba preso

MENOR CONFESSA QUE MATOU A MADRASTA

Um adolescente de 15 anos foi apreendido na madrugada desta quinta-feira (4), após confessar a autoria do crime que vitimou Kamila Cordeiro Lisboa, de 27 anos, na noite anterior, no bairro Boa Vista, em Curitiba. A princípio, Kamila teria sido vítima de um latrocínio – roubo seguido de morte – porém as investigações da Delegacia de Furtos e Roubos (DFR) elucidou o caso como sendo um homicídio.

De acordo com a polícia, o fato aconteceu por volta das 18h30, após a vítima chegar do supermercado. O motivo do crime foi por vingança.

De acordo com a polícia o carro da vítima foi levado pelo menor até um bairro próximo do local do crime e ateado fogo. “O garoto usou gasolina de uma roçadeira que estava na casa”, disse o delegado adjunto da Delegacia de Furtos e Roubos (DFR), Pedro Felipe de Andrade.

Segundo o delegado os policias desconfiaram da frieza do rapaz, das versões contraditórias e da perna do adolescente que estava queimada, devido ao fogo do carro. “Após diversos questionamentos pelos policias, o menor confessou que executou a madrasta pois a mesma chamou sua atenção por ter usado seu carro, um Corsa Classic verde”, afirmou Andrade.

A vítima foi executada com dois tiros na cabeça ainda na porta da residência. Após o crime o garoto arrastou o corpo para dentro da casa, trocou de roupa e tentou limpar a cena do crime.

Nervoso, o garoto foi até a casa do avó e falou que a madrasta estava morta. O pai do menor foi avisado por familiares, momento que chegava de viagem.

A polícia e o Corpo de Bombeiros, realizaram buscas no rio que o adolescente jogou a arma utilizada no crime, porém ainda não foi localizada. As buscas continuam nesta quinta-feira (4).

O menino foi encaminhado para a Delegacia do Adolescente (DA) onde foi autuado em flagrante pelo crime de homicídio.

Marido que ofereceu R$ 10 mil de recompensa descobre que assassino da mulher é o próprio filho de 15 anos

O enteado de 15 anos de Kamila Cordeiro Lima, morta com um tiro na cabeça na noite desta quarta-feira (3), no bairro Boa Vista, em Curitiba, confessou ter sido o autor do crime. O adolescente teria usado a arma do pai, uma pistola, para cometer o crime e simular um latrocínio, em entrevista à imprensa, o pai do garoto e marido de Kamila, Jackson Pomin afirmou que daria uma recompensa de R$10 mil para quem tivesse informações sobre o autor. O corpo de Kamila, que é funcionária do Bradesco Seguros, foi encontrado em casa e o carro, um Corsa Classic, incendiado a poucas quadras da casa da família. Às 10h30 haverá coletiva de imprensa na Delegacia de Furtos e Roubos (DRF) sobre o roubo.

kamila

Durante as investigações, as suspeitas caíram sobre o adolescente, justamente por ele ter sido quem encontrou a madrasta morta. O Instituto de Criminalística analisou o corpo e afirmou que ela tinha sido morta por volta das 19h30. O carro foi visto sendo incendiado próximo das 20 horas e o acionamento para a Polícia Militar (PM) aconteceu somente às 21 horas, aproximadamente. O pai do garoto é ex-repórter policial e chegou de viagem minutos após o crime ter acontecido. Não há informações sobre a motivação da morte da madrasta.

Crime

Kamila tinha ido ao mercado, estava sozinha no carro, e estava próxima ao portão de casa, na rua Professora Maria Balbina Costa Dias esquina com a José Zaramella, quando teria sido abordado por bandidos, até então. O disparo atingiu a cabeça da vítima e foi fatal. Já no local houve a suspeita de execução, no entanto, como o carro tinha sido levado, policiais e investigadores optaram em checar todas as informações.

O marido de Kamila e pai do adolescente conversou com a imprensa no local do crime. “Eu não estava em casa, estava em Brasília, meu voo era 18h09, fiz conexão às 20h40 e quando eu estava colocando as malas no carro recebi uma ligação do irmão dizendo que a Kamila estava morta, eu não acreditei, entrei em desespero. Vindo para cá, eu soube que meu filho viu ela e foi avisar minha mãe. A última ligação dela foi às 18h14 para minha vizinha. O estranho é que os vizinhos estavam fazendo churrasco e ninguém viu nada. Levaram minha pistola ”, disse o marido.

Ainda em entrevista, Jackson disse que a esposa era uma pessoa ‘boazinha e que não teria porte para reagir’. “Vamos encontrar quem fez isso com ela. Quer levar o carro, televisão, leve tudo que tem aqui dentro, mas para que tirar a vida de uma menina como essa? Mas, a gente vai encontrar quem fez isso, eu tenho certeza. Vou lançar um desafio aqui: vou dar um prêmio para quem der informações sobre esse bandido. Eu vou dar R$ 10 mil para quem me der informação”, finalizou o marido.

O carro de Kamila foi encontrado incendiado nas proximidades da rua Teodoro Makiolka, no bairro Barreirinha, poucas quadras da casa da família. A Polícia Civil investiga o caso e aguarda o recebimento de imagens de residências próximas para tentar identificar os bandidos e o mistério que acerca o crime.

GUARDA MUNICIPAL RECUPERA VEÍCULO ROUBADO

Guarda MunicipalNo final da tarde de ontem, 29/01, a central da Guarda Municipal  recebeu alerta que um veículo havia sido roubado em Pontal do Paraná.

Imediatamente o alerta foi transmitido para as  para as viaturas que estavam realizando o patrulhamento preventivo pelas ruas de Pontal do Paraná.

Felizmente, as 19:27h a viatura VTR-05, localizou o veículo modelo Gol prata placa AEE-9848, na Rua Paranavaí esquina com Rua Florianópolis , Balneário Shangri-lá. Provavelmente os meliantes ao perceberem a atuação da Guarda Municipal abandonaram o objeto do roubo. O proprietário foi acionado por telefone, compareceu ao local e constatou que era seu veículo.

Diante disso os Guardas Municipais conduziram proprietário e veículo para a Delegacia de Ipanema para a baixa no registro de roubo e demais procedimentos de praxe.

Câmara de Pontal do Paraná tem contas de 2010 aprovadas após recurso

 

 

O Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR) acatou recurso do ex-presidente da Câmara Municipal de Pontal do Paraná (Litoral), Nelson Lorençone, contra o Acórdão nº 7798/14 do Tribunal Pleno, que havia mantido a primeira decisão pela irregularidade das contas do Legislativo municipal em 2010. Com a nova decisão, o TCE-PR aprovou as contas daquele ano.

O motivo para a desaprovação havia sido a divergência entre os valores do ativo e passivo financeiros constantes na contabilidade da Câmara em relação àqueles do balanço patrimonial constante no Sistema de Informações Municipais-Acompanhamento Mensal (SIM-AM) do TCE-PR. Em seu pedido de rescisão, o requerente juntou a republicação do balanço patrimonial do Legislativo municipal no Diário Oficial de Pontal do Paraná e no site da Câmara na internet.

Na instrução do processo, a Diretoria de Contas Municipais (DCM) atestou que houve o saneamento das irregularidades, destacando que o balanço patrimonial republicado não apresentava diferenças em relação aos dados informados no SIM-AM. Assim, a unidade técnica opinou pelo provimento do recurso. O Ministério Público de Contas (MPC) acompanhou o entendimento da unidade técnica.

Ao fundamentar seu voto, o relator do processo, conselheiro Durval Amaral, afirmou que houve a regularização da impropriedade apontada com a juntada das provas documentais e ratificou a posição da DCM e do MPC.

Na sessão do Tribunal Pleno de 10 de dezembro, os conselheiros acompanharam, por unanimidade, o voto do relator. O novo acórdão de parecer prévio (número 6137/2015 – Tribunal Pleno) foi publicado no último dia 6 de janeiro, na edição 1.272 do Diário Eletrônico do TCE-PR, veiculado no portal www.tce.pr.gov.br.

 

Serviço

Processo nº: 39191/15
Acórdão nº 6137/15 – Tribunal Pleno
Assunto: Pedido de Rescisão
Entidade: Câmara Municipal de Pontal do Paraná
Interessado: Nelson Lorençone
Relator: Conselheiro José Durval Mattos do Amaral

Autor: Diretoria de Comunicação Social Fonte: TCE/PR

 

 

ASSALTANTE MORTO EM PONTAL DO PARANÁ

Dois indivíduos foram encontrados baleados em uma residência no balneário Monções, em Pontal do Paraná, um deles, inclusive, em óbito.

Eles entraram em uma residência afim de praticar um assalto, mas acabaram sendo surpreendidos pelo proprietário . O sobrevivente foi encaminhado ao PS local, enquanto o corpo do seu comparsa foi levado ao IML.

 

Motorista multado antes de acidente explica silêncio e diz que suspensão de júri foi a gota d’água

O motorista multado quatro minutos antes do acidente envolvendo o ex-deputado Luiz Fernando Ribas Carli Filho disse que a suspensão do júri foi a gota d’água que o levou a divulgar o documento – a infração coloca em dúvida a versão de “apagão” dos radares dada pela empresa responsável. Em entrevista coletiva na tarde desta quarta-feira (20), o rapaz, que preferiu não ter o nome revelado, declarou ainda que se omitiu por quase sete anos por medo de sofrer ameaças e retaliações.

“Eu temi pela minha segurança e da minha família. Cada vez que o júri era adiado, eu me revoltava. Mas dessa vez, eu pensei ‘isso já está demais’, preciso achar essa multa e enviar para a família Yared. Podia ter sido eu a vítima do acidente”, afirmou o motorista.

A multa foi registrada quatro minutos antes do acidente, na Rua Monsenhor Ivo Zanlorenzi, por um radar que fica a cerca de 200 metros após o ponto da colisão. “Eu recebi a infração por passar um pouco acima da velocidade permitida ali no trecho. Ninguém mais sabia disso, a não ser os meus familiares. Eu fiquei com medo, porque a própria família das vítimas havia recebido ameaças, então imagine o que poderia acontecer comigo. Depois que tomei coragem para enviar o documento, me arrependi de não ter feito isso antes. Não sei o efeito que a multa terá no processo, mas vou ajudar no caso enquanto eu puder”, completou o motorista.

Ele relatou, ainda, que não recebeu nenhum tipo de contato por parte da empresa responsável pelos radares, a Consilux, que alegou problemas nos equipamentos no dia do acidente. Ela ainda não se pronunciou oficialmente sobre o caso.

“Que mistério é esse que não conseguimos revelar?”

A deputada federal Christiane Yared, mãe de uma das vítimas do acidente, comentou que a revelação da multa mostra a estranheza de toda a situação. “Nós sabíamos que, em algum momento, informações como essa viriam à tona. O radar funcionava quatro minutos antes do acidente e depois não funcionava mais? O que realmente aconteceu naquela madrugada?”, questionou ela.

De acordo com Yared, a multa será protocolada junto ao processo que corre no Ministério Público do Paraná (MPPR), investigado pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco). “Essa apuração, que ocorre paralelamente à esfera criminal, tem como objetivo esclarecer se houve racha na ocasião do acidente e por que a imagem do posto de gasolina está adulterada. Por que o estabelecimento foi vendido após a ocorrência e nenhum funcionário ficou lá? Que mistério é esse que não conseguimos revelar? Nós precisamos entender o que houve naquela noite, para que tenhamos paz”, concluiu.

Yared convida ainda outras pessoas que foram multadas no mesmo dia e próximo do horário do acidente, à 00h54 de 7 de maio de 2009, a entrarem em contato com ela.

Multa foi divulgada pelo pai da vítima, Gilmar Yared, no Facebook. (Foto: Reprodução)

 

Autenticidade da multa

A prefeitura de Curitiba informou que, com base nos dados repassados pela Consilux, confirma a autenticidade do auto de infração na Rua Ivo Zanlorenzi à 0h50 de 7 de maio de 2009, para um automóvel VW Gol 1.0. O radar que registrou a infração estava localizado na altura do número 940 da via, próximo ao Rio Barigui.

Consilux

A Consilux informou que o contrato firmado com a Prefeitura de Curitiba foi encerrado em 2009 e que a empresa não possui mais registros sobre os radares em operação na época. A empresa esclareceu que não era responsável pela emissão das multas, apenas repassava as imagens dos equipamentos para a Diretoria de Trânsito de Curitiba (Diretran).

Julgamento

A uma semana do julgamento marcado para os dias 21 e 22 de janeiro, o Supremo Tribunal Federal (STF) concedeu liminar em favor da defesa de Carli Filho. Com isso, o júri popular está suspenso e sem data para acontecer.

O ex-deputado é acusado de matar dois jovens em um acidente de trânsito, em 2009, quando dirigia embriagado e em alta velocidade no bairro Mossunguê, em Curitiba. No recurso, a defesa do ex-parlamentar alega nulidade de provas e cerceamento de defesa. Agora, o ministro Gilmar Mendes, que está de férias, avaliará em fevereiro o mérito do Habes Corpus pedido pelos representantes de Carli.

O caso

O acidente vitimou Gilmar Rafael Souza Yared, de 26 anos, e Carlos Murilo de Almeida, de 20.  Na ocasião, a acusação informou que o ex-deputado dirigia embriagado e tinha 130 pontos na carteira de habilitação por infrações de trânsito.