Evento irá debater tecnologia para prefeituras do Litoral

Fórum Regional de Cidades Digitais do Litoral Paranaense terá foco na melhoria dos serviços públicos e fomento à inclusão digital
Digital
Será realizado em Morretes, nesta quinta-feira (26), I Fórum Regional de Cidades Digitais do Litoral Paranaense, organizado pela Rede Cidade Digital (RCD) em parceria com a Associação dos Municípios do Litoral do Paraná (AMLIPA) e Prefeitura de Morretes.  O evento, que conta com o apoio institucional do Ministério das Comunicações, por meio da Secretaria de Inclusão Digital, irá tratar do uso de tecnologia para o aprimoramento da gestão pública, com foco no desenvolvimento econômico e social da região.
As inscrições são gratuitas para servidores públicos e podem feitas através do site http://forum.redecidadedigital.com.br/.
 A presidente da Associação dos Municípios do Litoral (AMLIPA) e prefeita de Guaratuba, Evani Justus, ressaltou a necessidade de se discutir um projeto de Cidade Digital que beneficie a região. “É importante essa troca de experiência porque todos nós temos particularidades, nossos problemas, então nós temos soluções também”, afirmou ela.
 
Segundo do diretor da RCD, José Marinho, o objetivo é promover um amplo diálogo que facilite a tomada de decisão dos gestores e articulação entre os municípios para aplicação das Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC).
 
A programação, completa Marinho, irá tratar das políticas públicas para as cidades digitais, fomento à inclusão digital e modernização da gestão municipal, com aplicação de softwares livres e Data Center. “Os principais setores, apontados por gestores, que merecem atenção das TIC envolvem a Saúde, a Educação e a Segurança. Portanto, será pensando suprir essa necessidade que as discussões do Fórum serão norteadas”, ponderou o diretor da RCD.
 
O I Fórum Regional de Cidades Digitais do Litoral Paranaense conta ainda com o patrocínio da Exati Tecnologia e apoio do Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU/PR) e Assespro-PR.

Polícia prende líder do PCC no Paraná

pccPoliciais civis do Centro de Operações Policiais Especiais (Cope) prenderam, na última quarta-feira (19), um dos líderes do Primeiro Comando da Capital (PCC), organização criminosa oriunda do Estado de São Paulo que age em presídios de todo o país.

Maurício da Cruz, 31 anos, conhecido como “Wolverine”, foi capturado no bairro Santa Felicidade, em Curitiba. “Ele levava no carro um rádio HT na frequência da polícia e anotações do PCC. Fomos até sua casa em Campo Largo e lá encontramos também uma espingarda calibre 12″, contou o delegado Luiz Alberto Cartaxo Moura.

Ainda de acordo com o delegado, Cruz confessou em depoimento ser um dos líderes da facção no Paraná. Ele já vinha sendo monitorado pelo Cope há algum tempo, até que nesta quarta os policiais conseguiram identificá-lo e prendê-lo. “Durante a abordagem em Santa Felicidade, também prendemos Rafael Antônio dos Santos, 27 anos, o ‘Avatar’, também membro do PCC”, contou Cartaxo.

“Avatar” estava com um veículo roubado e com sinais de identificação adulterados. No carro também foram encontradas anotações com informações sobre o PCC. “Ele era foragido da Justiça, por isso quando foi abordado apresentou uma Carteira Nacional de Habilitação (CNH) falsa”, destacou o delegado.

Ambos os presos foram autuados por participação em organização criminosa. “Wolverine” também foi autuado por posse ilegal de arma de fogo. “Avatar” foi autuado por uso de documento falso, receptação e adulteração de sinal identificador de veículo automotor.

Fichas sujas

Santos era foragido da Justiça por ter sido preso em 2009 pelo crime de tráfico de entorpecentes, e Cruz tem ficha criminal mais extensa. Em 2009, foi preso por porte ilegal de arma de fogo. No mesmo ano, voltou a ser preso por uso de documento falso e falsificação de documentos. Em 2013, foi cumprido contra ele um mandado de prisão por ele estar evadido do sistema prisional. “Em outubro do ano passado, nós o havíamos prendido aqui no Cope por participação em organização criminosa”, contou Cartaxo.

Mesmo tendo sido preso em outubro, Cruz ganhou as ruas novamente no mês de novembro de 2014. Ele foi solto por excesso de prazo, já que o Ministério Público não ofereceu denúncia contra ele ao Poder Judiciário.

OPERAÇÃO BROTHERS 2 PRENDE CINCO EM PARANAGUÁ

Brother

A primeira etapa iniciou no final do ano passado, resultando em oito prisões e na apreensão de uma motocicleta e celulares.

Em combate a criminalidade da região, policiais civis da 1.ª Subdivisão Policial (SDP) de Paranaguá, comandados pelo delegado-titular, Ítalo Cesar Sêga e coordenado pelo delegado Dr. Nilson Diniz, realizaram em diversos bairros da cidade, a segunda fase da Operação “Brothers II”, cumprindo 24 mandados de busca e apreensão e 18 mandados de prisão, por tráfico de drogas, homicídio, roubo e associação criminosa. Durante a operação policial cinco prisões foram realizadas.

A Operação “Brothers II” é a sequência das investigações realizadas pela Polícia Civil em combate a criminalidade na região. A primeira etapa iniciou no final do ano passado, resultando em oito prisões e na apreensão de uma motocicleta e celulares.

O nome da operação se deu porque algumas pessoas que foram presas na primeira fase da operação, pertenciam a uma facção criminosa que se chamavam de “brother” entre si.

Na quarta-feira foram presos Fillype Constantino, 25; Patrick Mathias Abrantes, 19; Maria Madalena Bueno, 44; Acir Martins do Nascimento e Amarildo Ferreira Alves Junior. Anteriormente já tinham sido presos Valmir Pereira da Silva, Yagho Cabral Alves Marcondes, Paulo Ricardo Dantas Gouveia, Sancler Mendes, Rafael Mendes Alves, Adelino Adrian dos Santos Costa, Daniel Vitor Borba de Oliveira e Wesley Bruno Pereira Bernardo.

RESPOSTA ATRAVÉS DE VIAS LEGAIS

 

fofoqueiro

Ontem uma cidadã que reside no Balneário Praia de Leste, me procurou na Secretaria para expor sua opinião sobre as noticias publicadas no blog Folha Pontal do Paraná. Ela afirmou que reside há mais de 15 anos aqui em Pontal do Paraná, e esta cansada de ler e ver tantos insultos, acusações e contra minha pessoa. Que não aceita a imagem que  da cidade também seja tão atacada pelas publicações maldosas daquele blog. “Quem não conhece nossa cidade, pelas publicações ali postadas vai imaginar que aqui é um berço de pedófilos e assassinos”, disse ela. Depois de ouvi-la, relatei todas as medidas que já tomei e estou tomando com relação a essa situação. Expliquei que a vezes a Justiça não tem e celeridade que esperamos, mas, com certeza ela está sendo feita. Então devido as colocações e ponderações feitas por essa cidadã, passarei a publicar os andamentos dos processos,  inquéritos que demais procedimentos judiciais que estou movendo contra o “jornalista” José Augusto Rodrigues e o Blog Folha de Pontal do Paraná. O “jornalista” cobra constantemente os desvendamentos de alguns crimes ocorridos contra mulheres  em Pontal do Paraná, no que ele não deixa de estar certo. Mas também culpar esse ou aquele Conselho Municipal chega a ser  infantilidade. Claro que é anseio de toda sociedade que os crimes sejam elucidados, não somente os cometidos contra mulheres, mas também a tentativa de homicídio contra o Diretor de Políticas sobre Drogas, Paulo Amódio, o assassinato do Pastor Jackson e tantos outros. Sem falar também, que as vezes o “jornalista” esquece de cobrar: o assassinato do fundador do Jornal Folha de Pontal, ocorrido em 1996 em Curitiba que até hoje também não foi elucidado.

SEMINÁRIO SOBRE POLÍTICAS PÚBLICAS E AS ORGANIZAÇÕES DO TERCEIRO SETOR INCLUSIVE SOBRE DROGAS

content_id(1)O Presidente do Conselho de Políticas Públicas Sobre Drogas, Sr. Paulo Amódio e o Secretário Municipal de Cidadania e Direitos Humanos Sr. Nelson Mademar, vem convidar e apresentar o que segue, se houver interesse da participação, faça logo sua inscrição às vagas são limitadas.

ATENÇÃO
CONSELHEIROS DE POLÍTICAS PÚBLICAS SOBRE DROGAS
COMUNIDADES TERAPÊUTICAS
PROFISSIONAIS DE SAÚDE E AÇÃO SOCIAL

Local: Campus da Indústria – FIEP Jardim Botânico em Curitiba. Com a presença da Ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Sra. Tereza Campello, do Secretário Nacional de Políticas Sobre Drogas, Sr. Vitore André e do Presidente da FIEP, Sr. Edson Campagnolo.
No horário das 10:30 – 2ª. Palestra – Secretário Nacional de Políticas sobre Drogas: Vitor Maximiano – As Políticas Públicas de Combate as Drogas e o 3º. Setor – Crack, É Possível Venc

Acima o Convite e Abaixo a Programação de Horários
A promoção é do GEASP e SESI (SISTEMA FIEP).
Inscrições e informações
geasppr@gmail.com – (41) 9641-3289 com Antonia
fabio.fontoura@sesipr.org.br – (41) 3271 9145 com Fábio

Edna Dias dos Santos
Secretária Executiva
Conselho de Políticas Públicas Sobre Drogas

PROGRAMAÇÃO

MANHÃ

08:00 – Welcome Coffee
08:45 – Recepção/Credenciamento
09:00 – Início com Boas Vindas – Mestre de Cerimônia
09:05 – Formação da Mesa e Saudações das Autoridades: (Mesa composta da Ministra Tereza Campello, Secretário Nacional, Vitore André, Senadora Gleisi Hoffmann, Presidente da FIEP Edson Campagnolo e o Coordenador do Seminário, Pr. Hilquias Paim (GEASP)
09:30 – 1ª. Palestra – Ministra do Desenvolvimento e Social e Combate à Fome: Tereza Campelo – “AS POLÍTICAS PÚBLICAS E A RELAÇÃO COM O TERCEIRO SETOR”
10:302ª. Palestra – Secretário Nacional de Políticas sobre Drogas: Vitor Maximiano – As Políticas Públicas de Combate as Drogas e o 3º. Setor – Crack, É Possível Vencer” !
11:40 – Mesa Redonda para DEBATES, Perguntas e Respostas – Moderação: Pr. Hilquias Paim

12:30 – Intervalo para Almoço

TARDE

14:00 – 3ª. Palestra – “Os Aspectos legais e Fiscais para as Instituições Conveniadas – Lei 13.019/14. (MP 658/14)”.
15:00 – 4ª. Palestra – “Operacionalização Para Convênios das Instituições do 3º. Setor – SICONV E OUTROS”
16:00 – Mesa Redonda para Perguntas e Respostas – Moderação: Pr. Hilquias Paim

17:00 – Considerações Finais
17:30 – Encerramento

FALSO JORNALISTA – TÚNEL DO TEMPO

JORNALISTACom a liberação da necessidade de realizar curso superior em jornalismo, muitas pessoas, até mesmo semialfabetizados, conseguiram o registro como jornalista profissional! Vive-se num vácuo legal enquanto o Projeto de Lei que regulamenta a obrigatoriedade do curso universitário em jornalismo para o exercício profissional, aprovado no Senado, não for também aprovado na Câmara.

Antes de prosseguir nesta reflexão, é importante mencionar a importância da atividade profissional do jornalista na sociedade contemporânea. O jornalista é o responsável pela produção e difusão das informações. A população conhece e sabe sobre fatos, história, economia, política, sociedade, esportes, meteorologia por meio do jornalismo. Fatos que podem determinar as opções de vida das pessoas, as decisões de trabalho, família, importantes para o cotidiano de milhares de pessoas. Assim como o médico, o advogado, o jornalista pode, com seu trabalho, promover ou destruir pessoas.

Entretanto a irresponsabilidade de muitos provocou que não dependesse da formação universitária especifica para o exercício profissional do jornalismo. Até mesmo um analfabeto pode requerer seu registro como jornalista. Basta imaginar um médico sem fazer o curso de medicina. Como seriam chamados esse falsos médicos? Minimamente como charlatão, curandeiro e outros qualificativos mais ou menos adequados! E se pode denominar Jornalista um médico, advogado ou qualquer outro profissional que tem o registro profissional de jornalista sem haver concluído o curso universitário de jornalismo.

 Lamentavelmente há muitos casos de falsos jornalistas, pessoas sem qualificação profissional em jornalismo que requerem o registro de jornalista. Como se trata de exercício inadequado da profissão, essas pessoas deveriam ser chamadas de charlatões. Como o jornalismo é uma das atividades profissionais estratégicas para o desenvolvimento social, para a democracia, a situação dessas pessoas é totalmente inadequada e contrária aos princípios de levar uma noticia com conhecimento técnico.

A qualificação profissional em jornalismo é complexa, o jornalismo exige conhecimento em sociologia, filosofia, política, psicologia, economia, além do conhecimento técnico especifico, como em qualquer profissão. A independência, a busca, a pesquisa, a apuração devida são requisitos imprescindíveis para o jornalista. E que atitudes dessas se pode esperar de uma pessoa que não frequentou e concluiu o curso universitário de jornalismo? 

O registro profissional como jornalista sem uma qualificação, ou seja, sem uma formação universitária específica em jornalismo atinge diretamente a ética profissional, a ética social.

Você conhece alguém assim?